segunda-feira, agosto 27, 2007

Perder a cabeça devia ser recomendado pelos médicos

Sei que paredes já foi há algum tempo.. mas quando voltei não me apeteceu escrever e por acaso, agora que penso nisso, ainda não me apetece escrever.. azarito! Alguma coisa há de sair.

A ideia era ir cedo para Paredes para arranjar um bom lugar para montar o estaminé, mas um pequeno pormenor logistico fez-me perder um dia: não é que me esqueço do PIN do multibanco e não consigo levantar dinheiro? Por acaso reparei que não me lembrava do PIN quando ia comprar uns calções de banho e lá tive que fazer figura de triste na caixa da sportzone...

Acabei por ter de pedir a uns amigos que levantassem o dinheiro por mim e eu, no final do dia, fiz a transferencia bancária (viva a net) pois o maldito código tinha metido férias da minha cabeça.

No dia seguinte, comprar umas cervejitas, meter-me no carro e partir. A meio do caminho, mais precisamente a sair da A3, lembrei-me do código!

Ora, confesso que sou estranho, mas ir para um festival sozinho não é assim tão estranho quanto isso. O ambiente é bom, a música ainda melhor. A única parte chata é mesmo montar a tenda sozinho, mas com a prática que tinha montei aquilo em três tempos. (Quase que competia com as 3 segundos..)

Logo na primeira noite, havia recepção ao campista: Devotchka! Foi fantástico! Estava com medo que fosse um pouco parado para a malta totalmente cheia de pica, mas deram um belo de um concerto! Era dos nomes que tinha mais curiosidade de ver e não me arrependi nadinha!

Em termos músicas por acaso estava mais interessado nas bandas que iriam abrir os palcos do que propriamente os cabeças de cartaz!
No dia 13 deliciei-me com o Jazz na relva de Frank Zappam com " ZAPPA_Low Budget research Kitchen". No palco principal New Young Pony Club, Sparta e Blasted Mechanism fizeram a noite (ou neste caso principio) com muito bons concertos. Nunca tinha visto Blasted ao vivo e adorei. M.I.A e Baby dispensei... alem de não ser o meu genero de musica notava-se o snobismo!

No dia seguinte, deixei de estar sozinho e um amigo meu foi ter a Paredes. Dia 14 foi dia de Spoon, AiH, Gogol e Mão Morta! Fenomenal! Sim... Gogol é qualquer coisa de outro mundo ao vivo e só tive pena de terem tocado tão pouco (apesar da organização os ter literalmente expulso do palco). Poucas semanas antes, tinham tocado em Sines no Festival de Música no Mundo e em 2 horas de concerto até houve fogo de artificio. Em Paredes os 50 minutos foram enchidos de uma energia fenomenal. Já mal conseguia saltar e bater palmas que os braços e as pernas deste velhote já não são para estas andanças!

De notar que o fantástico cenário onde Paredes de Coura instala o palco, fornece um anfiteatro invejável mas que lixa os pés todos por estar num declive. Cada salto que se dava ia-se parar um pouco mais a frente até se atropelar um vizinho festivaleiro. Ainda lesionado, o meu pé e joelho cederam demasiadas vezes!

Mas voltando ao que interessa: Gogol, Architecture in Helsinki e Mão Morta! É por estas que não me arrependo de nada de cometer estas loucura e fico sem perceber como há pessoas que não querem ir aos festivais.. Só estas bandas valeram bem o dinheirito do bilhete (que por acaso até consegui a preço de desconto por uma amiga não poder ir - o facto de não me lembrar do pin neste caso até foi positiva)

Mas neste ponto confesso a minha fraqueza... durante New York Dolls a chuva começou a cair de forma totalmente impiedosa e sem os impermeáveis que o resto da malta tirava dos bolsos, tivemos que desistir. Já não vimos Dinosaur Jr. e pelas descrições que ouvi parece que foi muito bom!

Chegavamos ao último dia e ainda antes de ir para o recinto já tinha pena de estar a acabar.

A chuva tinha ido embora e o sol brilhava entre as nuvens. Uns passeios pela vila para passar o tempo e deitado na relva ao pé da tenda ouvia-se Linda Martini ao longe enquanto se bebia umas bjecas! Paraiso! De novo, adorei as primeiras bandas: Electrelane, Sunshine Underground e Peter, Bjorn & Nino! Estes últimos talvez um pouco fora do seu elemento, mas lá deram um concerto aceitável. As CSS dispensei e foi a altura ideal para ir atacar a bifana com molho suspeito: delicioso! Finalmente o último concerto do festival com Sonic Youth. Acho que neste momento já estava demasiado cansado para verdadeiramente apreciar o concerto pois gostei mas não adorei.. aquela encosta é verdadeiramente assassina para se ver concertos durante 6 horas seguidas!

Conclusão: a repetir sem qualquer margem para dúvida. Para o ano estou lá seja sozinho ou acompanhado. Boa música não é para se perder!

PS: As fotos seguem no flickr dentro de momentos. (Estão uma porcaria para não variar)

2 Tremuras:

Flaw disse...

perguntar aos amigos se tb querem ir, não... trengo :p
Eu vi alguns pela t.v. Nunca tinha "ouvisto" linda martini (entre outros) e gostei.
Lembrei-me que tens um montão de fotos pra mim...

tânia disse...

para a próxima diz qq coisa ao passares para cima :)

Enviar um comentário